ACNUR: Universidade Federal do Paraná receberá refugiados universitários; prazo é dia 13/11

Publicado em 26/10/2015 pela ACNUR

Foto Link Educação
Universidade Federal do Paraná. Foto: UFPR/divulgação

A Universidade Federal do Paraná (UFPR), integrante da Cátedra Sérgio Vieira de Mello da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), informou que refugiados ou portadores de visto humanitário no Brasil e que cursavam algum curso superior no exterior poderão estudar na instituição a partir de 2016.

O período para solicitar ingresso nos cursos de graduação da universidade termina no próximo dia 13 de novembro. A solicitação é gratuita e os refugiados não precisarão fazer o vestibular. A seleção da UFPR será feita por análise de documentos e depende da disponibilidade de vagas em cada curso, conforme os registros de evasão.

A solicitação deverá ser feita pessoalmente ou por meio de procuração do interessado, com firma reconhecida em cartório. Todos os critérios estão estabelecidos em um edital, disponível em http://bit.ly/1MsKeCS

Saiba mais clicando aqui.

———————————————————————————————–

UNESCO cria grupo de trabalho sobre revalidação de diplomas na América Latina e Caribe

Publicado em 14/10/2015 pela ONU Brasil

Grupo terá até 2018 para apresentar proposta de revisão da atual Convenção Regional sobre o Reconhecimento de Estudos, Títulos e Diplomas de Ensino Superior na América Latina e Caribe, que é de 1974.

Foto: Luiz Filipe Barcelos/UnB Agência
Foto: Luiz Filipe Barcelos/UnB Agência

A UNESCO e os países da América Latina e Caribe vão criar um grupo de trabalho para sugerir novas regras que facilitem o reconhecimento de estudos e diplomas de ensino superior na região. O grupo terá até 2018 para apresentar proposta de revisão da atual Convenção Regional sobre o Reconhecimento de Estudos, Títulos e Diplomas de Ensino Superior na América Latina e Caribe, aprovada em 1974.

A decisão foi tomada na última sexta-feira (9), ao final de encontro de representantes de governos e universidades de 18 países latino-americanos e caribenhos, em Brasília. A reunião durou dois dias e foi organizada pelo Instituto Internacional para a Educação Superior na América Latina e Caribe (IESALC), que pertence à UNESCO, e pelo escritório da UNESCO no Brasil, com apoio do Ministério da Educação brasileiro.

Os participantes defenderam a atualização da convenção, a fim de promover novos acordos de mobilidade acadêmica, a cooperação regional e a internacionalização das instituições de ensino superior. Eles também reafirmaram o compromisso de facilitar a mobilidade, como forma de aumentar o acesso ao ensino superior.

O diretor do IESALC, Pedro Henríquez-Guajardo, lembrou que a atual convenção é subscrita somente por 11 dos 33 países da América Latina e Caribe – Brasil e Chile chegaram a assinar o documento, mas voltaram atrás e se retiraram na década de 1980; a Argentina nunca endossou o documento. O reconhecimento de diplomas na América Latina e Caribe é feito hoje diretamente pelas universidades e por meio de acordos bilaterais.

A criação do grupo de trabalho será informada à Conferência Geral da UNESCO, que acontece em novembro, em Paris. As demais regiões do planeta também trabalham na revisão de suas convenções, como foco na aprovação de uma futura convenção global de reconhecimento de diplomas. Saiba mais clicando aqui.